Introspecção da estrada

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

| | |
Quinta-feira, 6 de agosto de 2009, 14 horas e 10 minutos.

Não sei por onde começar, mas deveria?
No meio do caos de tanta preocupação e medo, só o que posso dizer é que o fim de todas as coisas está próximo. Deve estar. Talvez seja ele, o fim, que sopra tanto medo a meus ouvidos. Talvez seja seu bafo, maldito bafo, que força essa treta estúpida na mente imunda das pessoas medíocres.
Vê a que ponto chegamos nós, humanos. Vê só. Nada adianta ou importa. Não há vergonha ou amor, e a magia está morta, pois que morto está o amor que, de poder, é hoje chamado de sentimento!
Nunca mais andarão homens sobre as águas, mas eu sei do que eu vi, e hoje andam sobre cadáveres de irmãos. E riem. Devo eu chorar? Ou devo almejar fazer caminho sobre os corpos destes que andam sobre outros?
Mas se fazer isso, farei de meu próprio amor um mero sentimento, e acabarei por fazer de único poder a força terrível e irresistível do rancor! Isso nunca. Jamais.
Hei de sangrar-me por estas terríveis desventuras, e sei que um dia estarei eu próprio estirado no meio desta infindável estrada corpos. Sei que se eu mesmo não fizer o mal, outro virá e o fará em meu lugar. Pois que faça. Que venham, pois, as dores. Todas elas.
Alex Pedro

0 comentários:

Postar um comentário

About me

About Me


Aenean sollicitudin, lorem quis bibendum auctor, nisi elit consequat ipsum, nec sagittis sem nibh id elit. Duis sed odio sit amet nibh vulputate.

Popular Posts

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Navigation-Menus (Do Not Edit Here!)

My Instagram