Um brinde

domingo, 24 de janeiro de 2010

| | |
Oh, liberdade enganosa,
falso afeto que convence o remetente, mas desgosta-me a vida.
Porque tal descrença, visto que o mundo jamais me conheceu?

Ah, que desprazer, decepção, ver o falso amor que só demonstra orgulho nos momentos de glória.
Quantas lições me são dadas,
mas quantos, de fato, me ensinam algo?

E os infelizes, que me julgam todos os dias...
O que faço eu para lidar com o prazer da inferiorização?
Rejeição, ciúmes, inveja: só por meu propósito ter vindo mais cedo.
Estou exausto...
Ser sempre o único a se preparar para o futuro,
sempre o único a encorajá-los aos sonhos.

Como se o Preparar-se-Para-O-Futuro não cobrasse sofrimento, solidão e outra grande sorte de necessidades vitais.

Mas qual o preço? Os favores, pois que tudo aquilo que a mim é feito, vem como favor.
Que eu não me esqueça que certos tipos de amor só existem nas utopías.

Alex Pedro.

São Paulo, 24 de janeiro de 2010

0 comentários:

Postar um comentário

About me

About Me


Aenean sollicitudin, lorem quis bibendum auctor, nisi elit consequat ipsum, nec sagittis sem nibh id elit. Duis sed odio sit amet nibh vulputate.

Popular Posts

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Navigation-Menus (Do Not Edit Here!)

My Instagram