O Menino que não podia morrer... Capítulo 8

domingo, 19 de fevereiro de 2012

| | |

          Hortência varria a casa, contra gosto. Gilmar havia partido para buscar a carroça e as duas senhoras pareciam preocupadas por qualquer razão.Julio e Maurício ofereceram-se para ajuda Hortência. Dona Lira se aproximou e bagunçou os cabelos dos garotos.

          - Eu e a Tia Rute vamos caminhar. Limpe a cozinha, pois ao voltarmos, prepararemos o jantar.

          Que mal havia em ajeitar a cama para perto do canto do quarto, para que pudessem colocar o colchão com o menino recém trazido de forma mais adequada?

          - Sim, Senhora.

          As velhas cochichavam sob o batente da porta, e Hortência as vigiava escondida. Partiram.

          Hortência subiu até a parte de cima da casa e, pelas janelas, viram as duas senhores desaparecerem entre as árvores.  Chamou Julio e Mauricio até a enfermaria.

          Os meninos seguraram a cama de ferro, leve como era, cada um de um lado ela levantou a cabeceira. O chão era de madeira, não queria riscar. Quando a puseram ao lado, percebeu algo embaixo da cama. Havia um desenho gravado com uma faca, embaixo da cama. Ela chegou perto, e percebeu que estava na altura do paciente. Os meninos indagaram, mas ela não soube responder. Aproximou-se e viu que eram letras que formavam o desenho. Sentiu ódio de si mesma por não saber ler.

          Hortência arrepiou-se. Havia um adulto atrás de si. Grande. Olhou assustada, mas não viu ninguém. Tocou com a ponta dos dedos na madeira gravada. Era uma caligrafia bonita, e havia letras da língua deles, e outras, dentro do desenho, que ela não conhecia. Sentiu um arrepio percorrer por seu corpo. Não havia outro adulto no quarto, no entanto, aquela impressão horrível a perturbava. Era como se tocassem seu ombro.

          “Põe a cama no lugar”, murmurou o menino olhando sério nos olhos dela.

          “Júlio?”, ela disse, mas o menino apenas repetiu, sem expressão. “Ponha a cama no lugar.”

          Mauricio espremeu os olhos e tapou os ouvidos. Gritou agudo. Hortência agarrou-o.

           “Calma, Mauricio, calma. Calma... tá tudo bem... Ta tudo bem.”

          Chegaram outras cinco crianças, assustadas e Júlio a olhava fixamente, sem piscar.

          - Vamos, me ajudem a colocar a cama no lugar. – disse ela, olhando para Júlio.  – Vamos, me ajude!

          Ele estava inerte. Ela deu-lhe um tapa na cara. Ele se assustou. Me ajudem a colocar a cama no lugar.

          Colocaram, e ela chamou as outras crianças para dentro e fechou a porta.

           “Não quero que falem sobre o que aconteceu aqui”.

Licença Creative Commons

[CONTINUA NO PRÓXIMO DOMINGO, 25/02]
(e na quarta, um conto diferente)

4 comentários:

Adilson disse...

Aeeee Alex, ainda bem que eu não li de madrugada. Esse capítulo é digno de um conto de horror... arrepiou! rs

Phê Brito disse...

Prezado Sr. Alex:

Faltam quantos capítulos para terminar? Cê não sabe como eu tou me contorcendo de curiosidade pelo final e por ler tudo junto, rs

Aprenttice disse...

Parabéns Parabéns Parabéns , eu estou aqui imaginando como será o final , eu gostei muito mesmo .

Alex Pedro disse...

kkkkkkk eu gostei muito desse também. Eu tinha inicialmente imaginado algo trivial, na hora saiu isso

Postar um comentário

About me

About Me


Aenean sollicitudin, lorem quis bibendum auctor, nisi elit consequat ipsum, nec sagittis sem nibh id elit. Duis sed odio sit amet nibh vulputate.

Popular Posts

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Navigation-Menus (Do Not Edit Here!)

My Instagram