O Menino que não podia morrer... Capítulo 33

terça-feira, 21 de agosto de 2012

| | | 5 comentários
recomendo a leitura dos capítulos anteriores
POR FAVOR, DEIXE UM COMENTÁRIO COM SUA REAÇÃO, EXPECTATIVA, ET CETERA APÓS A LEITURA DESTE CAPÍTULO FINAL. É IMPORTANTE PARA MIM.
BOA LEITURA

          Dona Lira olhara para o padre que caíra no chão numa morte rápida, com pouca agonia. O menino que Gilmar trouxera brilhava quando viram num instante, todavia, a luz se desprendia dele como partículas de poeira e apagava-se lentamente. Gilmar vira tudo da janela. Viera numa corrida intensa e de um salto estava dentro do quarto.

          - Tu não brincavas quando disse que o garoto viera do céu, ao que parece. – murmurou a velha. - Mas agora isto faz pouca diferença.

          - Faz sim! – retrucou dona Lira. – O casulo não deu certo. O Antigo não vai virar um só espírito com Laio para renascer homem após a morte. Fracassamos.

          Tia Rute olhara para a sobrinha de forma indecifrável. Não conseguiu entender se aquilo era um lamento, um deboche, ou uma afirmação indiferente.

          - Não vão mais fazer isto. – Gilmar disse, olhando para o menino, que estava aparentemente morto. – Acabou. Eu já sei de tudo, e as crianças foram embora.

          A velha olhou para ele pacientemente, caminhou até o padre, abaixou-se em gemidos de cansaço, e arrancou a faca das costas do homem.

          - Quem é você? Você é uma raspa insignificante de algo grande que planejamos. Só está vivo porque fora violado pela garota. Está vivo pela compaixão desta idiota – e direcionou-se a Dona Lira – e porque de fato, precisávamos da força de um homem. Mas não precisamos mais.

          Laio, que estava sentado, olhou para Gilmar, com as pupilas dilatadas, dois olhos negros intensos que miravam-lhe sinistramente. Ergueu os braços, e os telhados voaram pelo céu negro, e a luz da lua encheu o ambiente. Gilmar fora erguido do chão, e lançado contra a parede que estava a menos de meio metro dele. Afastava-se vinte centímetros e batia-se novamente, e outra vez. E outra.

          Gilmar tivera o vislumbre de algo terrível. O menino que ele havia encontrado, vindo dos céus, queimava num fogo vermelho sangue, e gritava. Era um grito agudo e desesperado, um grito de tortura. Essa mesma dor ele próprio sentia. Aquela coisa que interagia com a criança queimava-lhe de dentro para fora, e as pancadas a curta distancia eram com uma força insuportável. Sentia que comprometia seus ossos, órgãos. Era insuportável.

          Tia Rute tinha um sorriso tranqüilo, não havia soberba ou maldade, mas um contentamento, como se tudo tivesse voltado ao curso correto. Dona Lira olhava nos olhos de Gilmar. O que ela poderia fazer para protegê-lo? Ela era uma mulher frágil, adoecida. Gilmar era espancado contra a parede e reconhecia a compaixão nos olhos dela. Ela sentiu isso, e quis chorar. Agarrou tia Rute, tomou à força sua faca, e golpeou Laio pelas costas.

          Gilmar caiu no chão, e dona Lira fora lançada contra outra parede, com muito mais força que os golpes dados contra Gilmar. Ambos cuspiram bastante sangue.

          O rapaz ergueu a cabeça, e olhou para Mikail, morto, e sentira-o queimar, e olhou para os olhos de tia Rute, furiosa, que aproximava-se de dona Lira com ódio na respiração ofegante. Laio, por sua vez, tinha no corpo as conseqüências do golpe, mas mantinha-se em pé. Aproximou-se de Gilmar com um olhar superior. Olhava para o homem derrotado, esparramado no chão, semi ajoelhado, sua respiração era ofegante, asmática. Seu corpo todo estava dolorido.

          O rapaz olhou para a lua cheia no céu limpo acima deles, da lua, para seu braço. Desenrolou o pano e o braço subitamente iluminou a todos com aquela luz pálida. Laio dera um passo para traz e tropeçou. Gilmar agarrara-o pelo pescoço e apertou com toda a força que lhe restava.

          Tia Rute voara em sua direção com a faca e o golpeara, mas atingira o braço de Gilmar e não lhe causara nenhum grande efeito. Ele a empurrou. Ela gritou furiosa e ferida.

          Gilmar, ainda agarrado ao pescoço de Laio, percebera uma lágrima escorrer do olho direito do menino. Ouviu em sua cabeça sua voz, que lhe implorava. “Mate-me”. Uma força estrondosa lhe tomara e ele estourou o pescoço da criança. Soltou, e o corpo caiu mole, como se a cabeça e o tronco fossem meramente ligados por pele e um pouco de carne.

          O rapaz agora se sentara para contemplar a imagem da desgraça. As mãos com sangue, doloridas. Mas a velha ria. Tia Rute olhava para ele com olhar de indiferença.

          “Você não sabe com quem se meteu, rapaz.” E olhou para dona Lira.

          - Chega... – gemeu Lira baixo.

          - Quase pôs tudo a perder... – disse a tia à Lira. – Quase. Teremos que recomeçar. Ele vai te perdoar, mas terá que provar que é fiel e devota.

          - Porque fazem isso? – Gilmar perguntou, frustrado – e em troca de quê isto tudo? Vocês são velhas, pobres...

          A velha ficou muda, olhando para ele, pela primeira vez ela não soube o que dizer.

          - Ele enriqueceu meu pai, meu irmão, salvou minha cunhada...

          - São velhas e pobres...

          - Cale-se. – disse tia Rute. Mas havia uma força estranha em sua voz.

          Dona Lira tossia, e olhava para ela.

          - Não entende, minha tia? Apenas virou uma rotina. Nem a senhora acredita no que diz.

          - Cale-se. Traidora... – e seguiu resmungando, inconsciente, numa língua estranha.

          Dona Lira olhara de forma estranha. De repente fora tomada por terror.

          - Você fala a língua d’Ele?

          O sorriso da velha se contorceu numa expressão medonha e dona Lira começara a tremer o corpo inteiro e a se sentir sufocada. Era a velha que fazia aquilo. A velha deu passos lentos e debilitados. Gilmar estava cansado, já parecia ter desistido. Dona Lira tossia, engasgava, e estava com a cabeça vermelha, sufocada, desesperada. Mas algo aconteceu.

          Mikail estava em pé. Olhava para a velha.

          “Homem não lhe pertence!” ele disse numa língua estranha. A velha bufou feito um gato furioso ou ameaçado e deu um passo para trás.

          “O homem não lhe pertence”.

          A velha encolheu os ombros. Do corpo da criança desprendia uma luz branca sinistra, e esta luz a perturbava. Seus olhos começaram a lacrimejar, arder. Ficaram vermelhos, quase como se estivessem prestes a sangrar, e o brilho do ódio e medo. Ela continuava a lhe mostrar os dentes como uma criatura selvagem acuada, rosnando, bufando.

         “Deixe-a, parta”.

           Ouviu-se um grito que não era da velha, mas do que quer que a havia dominado. Seus ombros encolheram-se, quebraram para dentro, assim como os braços, e os ossos, e todo o corpo que se quebrava e encolhia-se para um núcleo magnético que não se via. Seus olhos de agonia sumiram, esmagados entre os pedaços do crânio que parecia implodir-se num último instante.

         Uma sombra imensa ergueu-se sobre aquele amontoado de tecido e sangue, e emitiu um último rosnado. Mikail batera o pé direito no chão uma vez, e a sombra desapareceu, como uma fumaça de incenso.

          Um silêncio consolador os abateu. Mikail partira. A lua e as estrelas os iluminava. Gilmar estava bem. Sujo com seu próprio sangue, mas sem ferimentos. Olhou para o céu. Olhou para a cruz de estrelas e para uma estrela à leste, de onde viera o menino. Gilmar levantou-se e foi até dona Lira. Segurou-a nos braços. Ela ficou em silêncio olhando nos olhos dele.

          - Eu nunca soube como mudar isto, meu filho. Me perdoe por não ter tentado.

          - Hortência e eu cuidaremos dos outros.

          - Me perdoe.

          Ele sorriu. Aquele sorriso com duas covinhas. O coração dela bateu mais forte, e ela própria não pode conter o sorriso.

          - Perdoar de que? Vamos? Eu a levarei nos braços.

          - Não. Fique aqui mais um pouco.  – disse ela, mirando aqueles olhos claros que brilhavam. Os dentes daquele sorriso. Sentia o cheiro dele. Sentia-se em casa. – Não vai demorar para que eu parta, e quero estar bem aqui, - e respirou profundamente - olhando para você.

          - Nunca me contou como vim parar aqui.

          A senhora sorriu.

          - Acreditaria se eu dissesse que veio do céu?

          Derramou uma lágrima por seu rosto. Gilmar a enxugou, e então sua cabeça pesou completamente, e seus olhos eram fixos em uma direção qualquer. Ele os fechou. Beijou-a no rosto e a manteve por alguns instantes com o rosto em seu peito.

          Ergueu-a nos braços e a levou até o quarto em que as crianças dormiam. Deitou-a numa cama e a cobriu com um lençol branco. Voltou para a enfermaria e aproximou-se do padre. Pobre do padre, que os quis proteger, e não teve sucesso, pensou Gilmar. Mas apesar de tudo, o padre partira, e não haveria mais pergunta sem resposta. Não fora em vão. Mas isto somente o próprio padre haveria de saber. Gilmar o levou para o outro quarto, limpo, e fez com ele como fizera com dona Lira.

          Laio era um inocente, como ele próprio. Gilmar dera um beijo na testa da criança. Colocou-o na cama, no outro quarto, próximo à dona Lira e o Padre. Fez uma oração simples.

          Não tinha idéia do que pensariam as pessoas que vissem aquele lugar, mas sabia que deveria desaparecer, levando consigo Hortência e as outras crianças. Pegou alguns objetos de valor que havia na casa, jóias antigas, simples, mas com ouro e uma ou outra pedra das velhas, economias, e pôs numa bolsa. Por último, pegou um cobertor para cobrir os restos mortais de tia Rute.

          Sob a luz da lua, Gilmar saiu do orfanato, pela primeira vez, para sempre.   

                                                                                                                        Fim.


O Menino que não podia morrer... Capítulo 32

sábado, 11 de agosto de 2012

| | | 1 comentários


          Havia no chão o corpo de Mikail, desacordado, embora estivesse o espírito absolutamente consciente do que acontecia. Perto dele, em passos lentos e temerosos, aproximava-se Gilmar. Soube ele, Mikail, que aquele era o pobre homem que havia tornado-se aquela criatura irrecuperável. Naquele momento soube que tivera êxito. Voltara no tempo para descobrir o que havia acontecido.

          Gilmar o levara para a casa. Ali ele percebeu que tirando a mais velha, todos eram crianças confusas. Mesmo a senhora mais jovem. As crianças eram crianças, e não mais do que isso. Mas quando fora levado para a enfermaria, ali encontrou algo curioso.

          Por mais que parecesse um mortal desacordado, Mikail era um antigo, e já a muito não dependia de matéria sólida, e não contava com os sentidos como visão, audição, tato, para enxergar. Na realidade, imaterial que era, suas faculdades eram outras. Percebia a todo o ambiente ao seu redor, tanto o que olhos de carne viam, como aquilo que estava além de seu processamento. E havia uma criança que flutuava numa nuvem em tom lilás escuro.

          Inicialmente, aquilo parecia algo meramente trivial. Como uma capa posta pelo que chamam de anjo da guarda para proteger um enfermo. Mas aquilo era um véu que o separava de algo terrível.
          A moça jovem inocentemente arrastara a cama onde jazia a criança adormecida, e então Mikail, invisível, percebeu uma criatura grande que surgira atrás dela. Aquela criatura era fruto das primeiras explosões do universo. Antiga. Presente neste mundo, sabia ele, há centenas de milhares de anos interferindo, inclusive, nas evoluções físicas e etéreas de muitas formas de vida. Não era o único a fazer isto.

          Soube Mikail naquele instante, que a criatura queria usar a criança para tornar-se material. Neste momento ele entendeu o que havia acontecido. Séculos antes, no sacrifício final, Gilmar descobrira o que iria acontecer. Sem entender direito, impediu, e a ira do Antigo decaiu-se sobre seu espírito, que jamais conseguiu recuperar-se. Confundido pela criatura, tirou a vida de todos os outros e matou-se.

          Quando a criatura imensa tocou o ombro da moça, Mikail fez-se perceber, e a criatura lhe confrontou.

          “O homem não lhe pertence” ele disse olhando para a criatura.

          Sabia que não lhe responderia. Mas o antigo ficou furioso, e lançou-lhe sua intenção de rancor, mas Mikail a conteve, e aquela nuvem do desejo de ambos, invisível a todos, flutuava naquele ambiente.

          “O homem não lhe pertence”.

          A criatura, poderosa, tornou o quarto coração de um incêndio terrível, mas Mikail mantinha-se poderoso desafiando a criatura. Aquele que parecia uma criança ergueu-se do solo e lançou um raio na criatura, que o conteve, e retribuiu com mais fogo. Mikail atirou fogo azul no Antigo, que apesar de incomodado, manteve-se forte contendo-o longe.

          Seu confronto nunca cessou até o momento a mulher mais velha apunhalou a última criança, que deveria tornar a simbiose do espírito antigo ao da criança mais poderosa. Neste momento ele vacilou. A cama mudara de posição, e os encantamentos foram mal-sucedidos.

          O fogo azul de Mikail, contido por dias, tomou o espírito da criatura, que pela primeira vez cobrira-se de horror, medo, e estrondosa dor. Sensações limitadas a seres errantes, não a poderosos feito eles.

***

          Cavalgando noite adentro vinha o padre, cansado, faminto, com diversas e confusas sensações que reviravam suas entranhas e seus pensamentos. Mal enxergava o caminho diante de si, mas era guiado, provavelmente por sua intuição, e mesmo o cavalo, valente, corria.

          Longa fora a sua viagem até que pudesse ver diante dele a casa, com uma das janelas reluzindo uma luz branca sobrenatural. Desceu do cavalo, e fez os últimos passos a pé. Suas costas doíam, suas pernas também. Suas coxas estavam assadas, e sua cabeça parecia solta do pescoço. Não tinha a juventude de outrora e, outrora jovem, nunca cavalgara jornada tão longa sem descanso. Mas ali seria uma jornada a muito esperada. Aproximando-se da casa nos passos mais ágeis que sua exaustão lhe permitia, ele foi surpreendido pela imagem de uma moça aterrorizada e silenciosa.

          - Padre... Tem luz no corpo do menino... Sai dele, e está em volta dele.

          - Vamos tirar as crianças daqui, pegue a carroça e leve meu cavalo para ajudar.

          Ajudou a moça a acordar as crianças sonolentas. Um barulho de tropeço o assustou, mas tranqüilizou-se ao ver que era Gilmar. Gilmar ofegava, continha choro, horror, raiva, choque.

          - Elas... elas matam as... crianças... pra um demônio... coisa assim... eu vi o espírito da flo... floresta... As crianças morrem... mas não descansam. Temos que matar o menino.

          O padre perdeu a cor. Gilmar correu ajudar Hortência a fugir com as crianças. O padre foi até a cozinha e encontrou uma faca curta sem cabo. Andou em direção ao quarto iluminado. Entrou na enfermaria e encontrou a gravação do assoalho, e a criança que refletia de maneira assustadora a luz da lua. O menino que estava na cama gemia, virando-se de um lado para o outro. O menino da cama levantou-se de um soluço e grito de terror.

          “Faça alguma coisa!” ele gritou.

          O padre segurou a faca firmemente e atingiu com brutalidade o coração da criança iluminada, que abriu os olhos e olhou para ele com terror, agarrando suas mãos.

          “NÃO!” gritou Gilmar demoradamente, olhando pela janela.

            Mas ouve um outro som, outro ruído abafado de carne rompida, seguido pelo grito que não saiu da boca do padre. Uma dor terrível, e um fôlego que nunca foi encontrado.

          Alguém dera-lhe uma facada nas costas.

          - Parabéns, Padre, - disse tia Rute, contendo um riso debochado – você matou a criança errada.

          Dera outras duas facadas nas costas do homem velho, que caiu no chão, morto.

***

          Da criatura enfraquecida surgiu um último vigor que desfez as chamas do fogo azul de Mikail e lançou uma onda de fogo escuro que ardeu sobre seu espírito, e o derrubou.

.

O MENINO QUE NÃO PODIA MORRER

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

| | | 2 comentários

          DEVO COMEÇAR COM UM PEDIDO DE DESCULPAS A QUEM ACESSA O BLOG CONSTANTEMENTE, MAS O ATRASO NADA MAIS É QUE UM SINAL DE QUE APESAR DE FALTAR COM A PONTUALIDADE, TENHO COMPROMETIMENTO.

          O MENINO QUE NÃO PODIA MORRER ERA PARA SER UM CONTO. SEMPRE FOI ESTA A IDÉIA, MAS ELE CRESCEU COMO UMA ÁRVORE, E TOMOU AS DIREÇÕES QUE QUIS, E OS PERSONAGENS SE TORNARAM QUEM DEVERIAM SER, E ISSO, CLARO, SIGNIFICA QUE ALGUNS FORAM ALÉM DE MEUS PLANOS, OUTROS SIMPLESMENTE NASCERAM NO MEIO DO PROCESSO E HOJE SÃO GRANDES DENTRO DO UNIVERSO DENTRO DA MINHA IMAGINAÇÃO.

          O MENINO QUE NÃO PODIA MORRER ACABA NO CAPÍTULO 33, E ISSO EU DESCOBRI NO DIA EM QUE CHEGUEI NO CAPÍTULO 13 E VI QUE AQUILO ERA APENAS O FIM DO PRIMEIRO ATO.

          NÃO É FÁCIL SE DESPEDIR DE PERSONAGENS NOS QUAIS PENSEI COM TANTA OBSESSÃO, NO ENTANTO, NÃO É UMA CARÊNCIA CRIATIVA QUE ME IMPEDIU DE ATUALIZAR O BLOG, MAS A IDÉIA DE QUE O CONTO SEM QUERER VIROU UM ROMANCE. ROMANCES SÃO REVISADOS ANTES DE SER PUBLICADOS, MAS TUDO O QUE FOI LIDO AQUI NESTE BLOG SEMPRE FOI ESCRITO INSTANTES ANTES DE SER PUBLICADO.

          SEMPRE GOSTEI DE OBEDECER MEUS INSTINTOS E NÃO ME APEGAR A REGRAS E FÓRMULAS. MAS NÃO DEVE SER ASSIM COM O FINAL. NÃO QUE PRETENDA DESOBEDECER MINHA INTUIÇÃO, MAS PRECISO DE DAR MAIS CARINHO A ESTA PARTE.

          FALTAM APENAS DOIS CAPÍTULOS, E BASICAMENTE, NÃO RESTAM TANTAS EXPLICAÇÕES, É APENAS O CLÍMAX E A CONCLUSÃO, QUE PODEM OU NÃO SER EMOCIONAIS, TENSOS, OU PREVISÍVEIS. SER PREVISÍVEL É UMA COISA QUE NÃO ME AGRADA. :D

          NESTE FINAL DE SEMANA EU PUBLICAREI O CAPÍTULO 32 E, CLARO COMO CRISTAL, O FINAL SERÁ EMINENTE.

SEM MAIS,

ALEX PEDRO

O maconheiro "da hora"

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

| | | 2 comentários


          Em algum lugar no interior da Bahia se escondia a discreta cidade de Itaxoxota do Norte. Povoada por dois mil habitantes, Itaxoxota era conhecida por seus cidadãos defensores da moral e dos bons costumes, da decência... Gente filantropa e, claro, maconheira.

          Nos arredores de Itaxoxota ficava a fazenda de coronel Eleutério, fazenda de cana-de-açúcar, mas era no centro da cidade que vivia seu filho Caio. Rapaz inteligente, ousadíssimo, de personalidade forte, e demonstrava isso para o mundo fumando maconha.

          Caio não trabalhava. Não precisava, papai era rico. Caio era sempre preso por fumar maconha em lugar público, e seu pai, Coronel Eleutério pagava a fiança, dava-lhe uma bronca, cujas ultimas palavras costumavam ser ouvidas a distância. Caio era ousado, e não precisava de conselhos.

          Seu pai, Coronel Eleutério, fora prefeito de Itaxoxota por sete mandatos consecutivos, e já depois de velho, emprenhou uma de suas amantes, teúda e manteúda, e nasceu Caio, mimado que pensava que não era.

          Caio era um menino de atitude, desprendido, que só vestia roupas de surfista de marcas caras. Era bissexual. Não que sentisse desejo por homens, mas basicamente, o que viesse era lucro. Vivia um dia de cada vez, como se fosse o último, ou não.

          Caio namorou certa vez Vanessa, patricinha, filha de uma família importante da cidade de Serro Azul. Conheceram-se numa festa na rua, ao som de Bob Marley, sob as românticas névoas pálidas de seus baseados. O namoro durou pouco mais de um ano. Caio se irritou por perceber que ela apenas queria fumar maconha da boa, e isso ele sempre arrumava de sobra.

          Vanessa o traiu com Judelino, o dono da boca de sua cidade. Fora expulsa de sua casa, e alguns anos mais tarde, virou prostituta. Mas Caio não ficou sozinho muito tempo. Conheceu dois meses depois Carlinhos. Carlinhos fazia chupeta em troca de maconha. Caio o pediu em namoro e o levou pra família conhecer.

          Carlinhos era “da hora”, segundo Caio. Carlinhos mamava que era uma beleza. E os dois fumavam o dia inteiro. Caio gostava de Carlinhos porque os dois tinham pontos de vista culturais e políticos em comum.

          Caio tinha uma opinião política justa e extremamente coerente, segundo ele mesmo, claro.  Caio adorava dizer que políticos eram corruptos, que pessoas passavam fome, que o mundo era cruel, que os animais eram mais confiáveis que os seres humanos... Dizia que era importante salvar a natureza. Tudo isso ele dizia no conforto de sua casa, relaxado, escutando Three Little Birds e acendendo a “bomba”.

          Three Little Birds era “da hora”. Caio as vezes esquecia de tomar banho. Alias, ele as vezes esquecia o próprio sobrenome. Aí alguém o chamava de maconheiro e ele ria. Achava esquecer “da hora”.

          Certa vez Caio e Carlinhos foram visitar o pantanal e Carlinhos foi até o rio fazer cocô, e fora atacado por uma sucuri. Foi comido e levado para dentro do rio. Caio voltou para Itaxoxota do Norte, sabendo que tinha esquecido de alguma coisa. Coronel Eleutério perguntara do genro e Caio emudeceu por um tempo. Carlinhos nunca mais fora visto e ele nunca soube o porque.

          Caio vendia maconha para algumas putas, contra a vontade de dona Satanilda, que não queria oferecer quengas entorpecidas para seus clientes ilustres.

          Caio achava Mahatma Gandhi da hora. Nem sabia muito sobre ele. Bob Marley era da hora também. Nem sabia nada sobre eles. Achava que dava moral ter pôster com a cara deles no quarto.  Eles eram motivadores de seu maior sonho.

          Sim, pois ele era sonhador, e seu sonho era mudar o mundo. transformá-lo num lugar melhor. Certa vez Coronel Eleutério perguntou “Como gostaria de fazer isso?”.

          Ficaram dois minutos, olhando sérios um para a cara do outro sem dizer absolutamente nada.

About me

About Me


Aenean sollicitudin, lorem quis bibendum auctor, nisi elit consequat ipsum, nec sagittis sem nibh id elit. Duis sed odio sit amet nibh vulputate.

Popular Posts

Contact Us

Nome

E-mail *

Mensagem *

Navigation-Menus (Do Not Edit Here!)

My Instagram