A respeito de Neuza...

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

| | |

Neuza tinha 38 anos. Neuza tinha cinco filhos, e Neuza teve cada um com um pai diferente. Neuza era empregada doméstica, e Neuza era frequentemente questionada sobre as razões que a levavam a ter posto no mundo tantos filhos com homens diferentes.

Neuza é irresponsável, todos pensavam, todos diziam. “Neuza não deve se importar com seus filhos, do contrário, cuidaria bem de um ou dois, e não pessimamente de cinco”. Neuza achava que as pessoas tinham razão, mas também achava que elas deviam cuidar mais de suas próprias vidas, pois ela própria já estava ocupada demais consigo mesma.

Neuza contava com ajuda programas sociais do governo para o orçamento de sua casa e algumas pessoas chamavam Neuza de oportunista. “Neuza está recebendo esmola do governo, pra isso pôs tantos filhos no mundo”. Primeiro que Neuza sinceramente não se importava com o que diziam a seu respeito. Segundo que se fosse uma acomodada, não seria doméstica. 

Verdade seja dita, só Neuza sabia da dor que sentia nas costas pelos anos passando pano em chão, limpando privadas e passando roupa. Alias, Neuza detestava passar roupas, mas sempre pagavam algo a mais se ela passasse. Neuza tinha dor nas costas, e já começava a apresentar alguns problemas renais e intestinais. Trabalhava tanto que se esquecia de beber água durante o dia.

Neuza era namoradeira, sim, e isso irritava muita gente. Irritava, porque muitas pessoas vivem oprimidas por outras pessoas, relacionamentos instáveis, ou mesmo oprimidas pelos pais e Neuza não tinha medo de recomeços. Às vezes ela lamentava secretamente ter tomado uma ou outra decisão por impulso, mas sabia que certas decisões na vida são tomadas apenas uma vez.

Amava seus filhos, mas não sabia como ser uma mãe melhor. Afinal, quando menina, Neuza começou a trabalhar para ajudar na renda da família e quando tivera sua própria família, acostumada com trabalho, jamais curtiu a infância de algum de seus filhos. Apenas trabalhara, dia após dia.

Já quando notou seus filhos e filhas ficando moços, percebia-os, vez e outra, fazendo coisas que reprovava. Era o preço que pagava por ser ausente. Mas sua ausência era também causada pela preocupação com o futuro deles. Neuza realmente tinha escolhas difíceis em sua vida. E as fazia. Com o passar dos anos, dos cinco filhos de Neuza, dois se formaram e tornaram-se importantes, um tinha um emprego modesto, um era dependente e preguiçoso e o outro usava drogas.

Neuza envelheceu sendo ajudada pelos filhos por quem mais pode fazer na juventude e dedicando-se àqueles que não tinham capacidade de coisa alguma.  De cinco, três estavam bem. A conta era simples e isto a fazia sentir-se resignada a encerrar sua vida cuidando dos outros, sabendo que alguns de seus filhos, tendo ou não orgulho dela, teriam uma vida melhor e poderiam ser pais muito melhores do que ela foi algum dia.


Publicado no jornal português "Horizonte".

0 comentários:

Postar um comentário